Capitulo 1 – Introdução ao SNMP

Vamos lá, com 5 minutos de leitura você vai conhecer o SNMP!

O que é SNMP?

O SNMP (Simple Network Management Protocol) é um protocolo que fica na camada de aplicação, utilizado para transportar informações que possibilitam o monitoramento e gerenciamento de redes.

Ele pode ser utilizado para monitorar diferentes tipos de sistemas operacionais e dispositivos, tais como Windows, Linux, roteadores, impressoras, servidores de e-mail etc. Desta forma, ele estabelece um padrão para o transporte das informações solicitadas destes dispositivos.

Arquitetura

A arquitetura básica para utilização do SNMP é composta por um gerente e um agente. O gerente é o dispositivo que vai realizar o monitoramento, ou seja irá recolher os indicadores dos dispositivos monitorados via agente. O agente por sua vez fica instalado no dispositivo a ser monitorado e coleta os indicadores para envio ao gerente.


Fonte: http://www.omnisecu.com/images/ccna-security/snmp-simple-network-management-protocol.jpg

O que são indicadores? Onde são armazenados?

Entenda indicadores como um conjunto de informações variáveis que podem ser o nome da máquina, quantidade de memória que está consuminda, utilização da CPU ou tráfego em uma determinada interface de rede. Estas e muitas outras informações ficam disponíveis para monitoramento na MIB (Management Information Base). Os indicadores são atualizados pelos próprios sistemas operacionais na MIB, deixando disponíveis para quem precisar acessar (e tiver acesso para isso é claro!).
Para comunicação entre gerente e agente é utilizado o protocolo UDP (User Datagram Protocol) que proporciona desempenho na realização das conexões.

Métodos suportados

O SNMP suporta operações de consulta e alteração de variáveis da MIB. Para estas operações são utilizados 3 métodos:
Get ou Get-next: Possibilitam que o gerente consulte as informações da MIB via agente.
Set: O gerente pode alterar as informações da MIB via agente (existem variáveis na MIB que são read-only).
Trap: O fluxo comum é o gerente solicitar informações ao agente. No caso do Trap, o agente envia uma informação não solicitada ao gerente, informando eventos importantes.

Nos próximos capítulos…

Existem alguns utilitários de linha de comando que possibilitam a utilização destes métodos de forma simples. Nos próximos posts vou apresentar alguns destes utilitários para Windows e Linux. Também quero apresentar mais detalhes sobre a MIB, SNMP V2 e por fim quero trazer mais detalhes de ferramentas de mercado utilizadas para monitoramento de ativos de redes.

Enfim, aguardem os próximos capitulos, e continuem conosco.

Abraço!

The following two tabs change content below.

Raphael Krauss

Software Engineer
Com mais de 10 anos de experiência em desenvolvimento e suporte a aplicações, atua na empresa Softplan como analista de suporte ao desenvolvimento, trabalhando com a manutenção dos frameworks de desenvolvimento básicos. Com conhecimento em Delphi, Java, Jsp, Servlets, Hibernate, mobile Android e também as bases de dados Oracle, SQLServer, Db2, MySQL, PostgreSQL. Especializado em análise de desempenho e técnicas de monitoramento de aplicações. Atuando em projetos com metodologias ágeis como Scrum, XP e utilizando boas praticas como Clean code e Design patterns. Também possui experiência em gerenciamento de ambientes de integração contínua (Controle de versão, Build continuo e ferramentas para análise estática de código).

Latest posts by Raphael Krauss (see all)

Sobre Raphael Krauss

Com mais de 10 anos de experiência em desenvolvimento e suporte a aplicações, atua na empresa Softplan como analista de suporte ao desenvolvimento, trabalhando com a manutenção dos frameworks de desenvolvimento básicos. Com conhecimento em Delphi, Java, Jsp, Servlets, Hibernate, mobile Android e também as bases de dados Oracle, SQLServer, Db2, MySQL, PostgreSQL. Especializado em análise de desempenho e técnicas de monitoramento de aplicações. Atuando em projetos com metodologias ágeis como Scrum, XP e utilizando boas praticas como Clean code e Design patterns. Também possui experiência em gerenciamento de ambientes de integração contínua (Controle de versão, Build continuo e ferramentas para análise estática de código).

Deixe uma resposta